segunda-feira, 9 de maio de 2011

A arte de merecer, o hábito de exigir e o direito de escolher - Eddie, a DIVA

Quando postei o texto sobre Seu Lunga, me desculpando sobre dar uns tiros de vez em quando, não esperava o monte de comentários – e todos absolutamente relevantes e bem escritos – sobre isso. Também não esperava as acusações de eu ter virado estrela, de estar orgulhosa e me comportar como uma rainha ou uma diva. Então, ao invés de simplesmente comentar, resolvi dar uma maior importância ao tema e falar abertamente disso.



Em primeiro lugar, amigos e inimigos anônimos, não precisam ficar com medo de dizer quem são, ainda mais nesse caso em especial. Sinceridade e honestidade sempre foram boas virtudes e vocês não foram trolls, então não têm do que ter medo ou do que se envergonhar. Vale avisar que tenho alguns discordantes como visitantes assíduos por aqui e pelo Alcatéia, como o Beto, que não tem medo nenhum de dizer o que pensa, ofendendo ou não, e ainda dá a cara a tapa. E quer saber? Não concordo com quase nada do que ele diz, mas acabei gostando do cara! Admiro a coragem e transparência, e no final, ele acaba rendendo umas discussões divertidas. Então, mais uma vez, Anônimos, podem se mostrar, ninguém fará nenhum feitiço ou enviará formas-pensamento em forma de troll pra vocês (a menos que se comportem como trolls! Aí é bom não assinar mesmo!).



Bom, eu admito que fiquei surpresa com esses comentários. Eu tenho um monte de defeitos, mas ser diva não parecia ser um deles. Lembrei que eu tinha essa fama quando era adolescente. Vizinhos e colegas de escola diziam que eu era metida. O fato é que eu era míope que nem um morcego e com tantas Vozes falando o tempo todo, era muito fácil não ver as pessoas na rua. Um dia, eu li num livro do grande Leon Eliachar um texto de humor onde ele respondia cartas. Uma das cartas era de uma moça míope que não gostava de usar óculos e, por não ver as pessoas na rua, ela não cumprimentava ninguém e as pessoas diziam que ela era metida. Leon Eliachar respondeu então para ela passar a cumprimentar todo mundo. Assim, além de mudar sua fama com os amigos antigos, ela ainda ia fazer um monte de amigos novos. Então pensei comigo: por que não? E foi o que fiz. Passei a cumprimentar literalmente todo vulto, sombra ou silhueta, incluindo algumas árvores, que eu via na rua. E funcionou! Um monte de gente passou a me adorar por simplesmente dar bom dia e sorrir.



Agora, vamos que viemos. Nenhuma dessas pessoas me cumprimentava antes. Elas me olhavam e esperavam um retorno. Eu era míope e não usava óculos. Eu podia estar olhando para ela, mas não queria dizer que estava vendo algo além de uma mancha colorida. Se elas dissessem algo, eu responderia. Mas elas esperavam que eu tomasse a atitude. E quando não tomava... eu era metida.



Os Anônimos não foram os únicos que me acusaram de ser estrela. Algumas pessoas se surpreendem ao me conhecer, pois tinham ouvido que eu era metida. Quando fui à Porto Alegre pela primeira vez, conheci muita gente legal e eles sempre diziam uns para os outros: “Nossa! Ela é tão legal! Eu achei que ela fosse cheia!” Quando ouvi isso pela quinta vez, não agüentei e perguntei: “Vocês achavam que eu era gorda??” Foi quando me explicaram que “cheia” é uma expressão gaúcha para metida, ou cheia de si.




Bom, fico feliz de ter mudado a opinião de algumas pessoas simplesmente sendo eu. Agora, eu preciso perguntar, caros Anônimos, por que exatamente vocês me acham estrela. No que exatamente vocês se baseiam ao dizer que eu não sou mais a mesma de antigamente? Pode ser algo que eu esteja fazendo e possa mudar, então eu gostaria de saber.


Vale a pena também apontar o texto do Nanael, que explicou tão bem que eu nem soube o que dizer. Ser a Eddie dá um trabalho danado, gente!... Tenho ouvido muita gente reclamando que não sabe nada da minha vida pessoal, minha biografia, essas coisas, então eu vou falar um pouquinho de mim, porque talvez isso ajude a desfazer essa falsa imagem que está se formando.




Não existe fim de semana. Em metade deles, estou com os alunos do Rio ou de São Paulo. Na outra metade, preciso me dividir entre visitar meus pais, receber algumas pessoas ou simplesmente terminar trabalhos atrasados (e todos eles, nesse momento, estão absolutamente atrasados). Dentro do ano, há outras viagens que também consomem semanas ou finais de semana inteiros, como Brasília e POA. Além de escrever os livros e revistas, também tenho as traduções e entrevistas ou matérias que sempre surgem para alguma mídia ou estudante que esteja fazendo um trabalho de faculdade. Paralelamente a isso, tenho que atualizar os blogs e sites, preparar as apostilas, fazer rituais para encantar poções, caixas, espelhos e pós, além de eventuais rituais de emergência para pessoas desesperadas.


Também preciso fazer a mala direta, o curso EAD e divulgar os eventos, incluindo as viagens, cursos, iniciações etc. Também preciso analisar textos, fazer contratos, lidar com editores, distribuidores, gráficas, autores, jornalistas, desse país ou não, entre uma reunião e outra. Tenho também as “coisas aleatórias”, que vão desde problemas de contas e boletos pagos, porém invisíveis para o sistema, compras que acabaram, coisas que quebraram, urgência com um dos meus cachorros, e qualquer coisa totalmente inusitada que surja durante o dia. No meio disso tudo, tem o Renato, os cachorros, os amigos mais íntimos e, claro, a casa, que também exige sua cota de atenção. E de noite... Lá vamos nós trabalhar e estudar no astral, lá em cima e lá em baixo.


Não estou falando isso como uma reclamação. Adoro minha vida! Não trocaria por nada! Só estou explicando porque não dá pra responder todos os e-mails, atender telefonemas, ou mandar cartas. Respondo alguns e-mails, geralmente os mais urgentes, e só. Mais de uma vez, pessoas ficaram muito zangadas comigo porque eu não respondi um e-mail. Na maioria das vezes, eu nem recebi o e-mail, então não tinha como responder. Lamento profundamente por isso, mas não dá pra responder todos os e-mails e já falei isso antes.


Outras pessoas andam reclamando que eu dou mais atenção para meus alunos ou pessoas que vão aos eventos do que aos leitores. CLARO QUE DOU! É normal dar mais atenção a quem se conhece, gente!!! Tenho recebido uma cobrança indevida. Ninguém é obrigado a dar atenção a todas as pessoas do mundo na mesma proporção. E se você aí dá a mesma atenção e tratamento, em qualidade e quantidade, a qualquer pessoa – QUALQUER PESSOA MESMO – na sua vida, amigo, você tem um problema! Não existe nada mais injusto do que tratar igualmente todas as pessoas. Você não pode – e ninguém consegue – tratar e amar igualmente o porteiro, a mãe, o carteiro, o melhor amigo, o cara da carrocinha do cachorro-quente, o professor, o marido ou a esposa. Além do mais, há pessoas, mesmo entre as mais próximas, que nosso coração reconhece quase que imediatamente, e passamos a gostar delas de graça, enquanto outras levam um pouco mais de tempo para entrar nos nossos corações (e algumas nunca conseguem). O leitor merece todo o meu carinho e o tem. Mas o aluno também merece, você não acha?

E só pra lembrar, há pessoas que eu nunca vi, nunca foram a uma aula minha ou a um evento, e pelas quais eu nutro um profundo carinho, como o Nanael Soubain e a Lilly Rose, mas estão presentes na minha vida através de comentários e e-mails constantes. Eles sempre têm prioridade, mesmo que eu nunca os tenha visto antes. Por quê? Porque eles estão presentes. Então, aí vai um recadinho para todas as pessoas que não se sentem amadas o bastante ou acham que não estão recebendo toda a atenção que gostariam: é preciso merecer. Não basta exigir. Porque quem dá essa atenção e amor tem todo o direito do mundo de escolher para quem dar sua afeição e em que ordem.



Eu vi todos os filmes do Zac Efron, até os que não foram lançados no Brasil (er... eu não baixei, porque é crime... Eu peguei um avião e fui até a Europa para ver o Me and Orson Welles!). Isso não quer dizer que ele tenha obrigação de virar meu melhor amigo. Eu adoraria. Mas eu teria que merecer.




E só pra terminar: eu atualizo os blogs e sites todo santo dia, sacrificando tempo de sono, de trabalho ou de jogar bolinha pra Mirian porque é uma forma de ficar mais perto de vocês, de todos vocês. Quando coloco uma postagem, faço isso pensando em você que está aí, sei lá onde, sei lá com que problemas, e precisa de uma coisa legal para alegrar ou inspirar seu dia. Posso não estar respondendo todos os e-mails, mas certamente não esqueci – e jamais esquecerei – os leitores, sem os quais meu trabalho seria um monte de papel dentro de uma gaveta. E você pode perceber isso em cada uma das centenas de postagens dos vários blogs que estão no ar nesse momento tentando dar um colorido à sua vida.


Não se preocupem, amigos com problemas de identidade que ainda não sabem quem são... É muito difícil constranger uma diva...

Pronto. Agora, podem comentar à vontade.

9 comentários:

tobias disse...

Adorei Eddie voce simplesmente descreveu voce e pode ficar tranquila porque eu entendo e muito bem que voce é uma pessoa muito atarefada. Mas merece muito respeito de todos! Depois que eu li suas revistas seus livros os blogs minha vida mudou pra melhor, voce sempre posta alguma coisa que da luz a meu dia, a minha vida. Simplesmente voce é perfeita e sim uma diva (no bom sentido).
Abraços.

Patrícia Balan disse...

Eu não acredito que um pretexto para as piadas do seu Lunga deu espaço para Anônimos chatos.
Gente de verdade assina comentário e ASSUME O QUE FALA.
Claro que a Eddie é DIVA. Sempre foi.
Está aqui, documentado para a posteridade, é diva mesmo.

DIVAga o tempo todo. Acompanhar uma conversa dela é impossível.
DIVAgar, quase parando, para entender filme que não é trash.
Tem sempre uma opinião DIVArgindo da nossa. É uma encrenqueira!
DIVAsta as coisas que a gente arruma prá ela. Não se organiza.
Mas é muito DIVArtida quando quer.

Mas tem muita mentira na rede sobre ela também.
Nunca foi DIVAssa. Ela não é a Sandy prá fazer essas coisas.
Não fica DIVAdiagem nem um minuto, tá sempre trabalhando.
Ela não DIVAloriza o trabalho de ninguém. Ela sabe o quanto é difícil agradar o público.
E ela NÃO É DIVArgem Grande, é DO RIO!

Ass: Anônima Lunga Balan da Silva

Simone.Sunflower disse...

A Eddie não precisa se justificar para ninguém. E mais: não tem obrigação nenhuma de ser simpática o tempo todo. Basta que ela seja ela mesma e é isso que a torna especial. Aliás todos que assim o fazem se tornam pessoas especiais. A Eddie faz o trabalho dela corretamente.
O que me assusta mesmo é tanta gente com tempo de sobra. Eu insisto, mente vazia oficina do capeta...
Cara, eu não consigo ter esse tempo, como faz? Eu não me imagino visitando um blog ou coisa assim simplesmente para ofender o autor porque eu não concordo com ele ou porque eu o acho metido...e ainda o que é mais covarde: Não mostrar a cara...
Meu, sério! Aproveitem o tempo de vocês, se não gostam da Eddie ou do que ela diz, vão fazer outra coisa. Vão ler quem os interessa. Ou pelo menos sejam menos covardes e mostrem a cara. Como é? Não querem se comprometer? Tem medo do quê?
E se ainda assim não conseguirem nada de mais útil para fazer, eu tenho aqui uma pia cheia e um cesto de roupas, quem se habilita?

Nanael Soubaim disse...

Hirê, amiga Eddie. As justificativas são acessórias a quem te conhece, mas sei que são oportunas, pois eu mesmo já precisei ocupar meu tempo com textos de esclarecimentos. Desocupados querendo processar qualquer um por qualquer cousa que não entenderam a contento, pipocam na rede.

Ainda me assusta a facilidade com que a internet permite às gangues se juntarem, fazerem peteco e se dispersarem, rindo do estrago. Entre uma peça fiscal, um processo e um relatório, costumo ver os comentários em jornais internauticos e, francamente, concluo que nos anos oitenta a humanidade era bem mais evoluída.

Mas teu brilho de diva já é um farol e não dá para esconder. És uma mulher DIVAlor único. Um holofote consegue esconder alguém por ofuscamento, mas não esconde a si mesmo.

O carinho a mim dispensado comove. Eu sei o que é não ter tempo para atravessar a rua e visitar uma amiga, por isso mesmo só mando tranqueira quando pode ser aprovceitada de algum modo, como no Roubo Repórter. De resto só notícias que publico.

A quem pensa que teu nome é Maria Edinalva de Vantura Feunandes, o recado foi bem dado, muito carinhoso até.

De resto, há alguém aqui assoprando pedidos e fazendo velinhas, com o Sol a seu pleno favor.

Abelhuda disse...

Bom Dia.

Quando eu li o texto do seu Lunga, tive a plena certeza que tenho um lado Lunga. E quem não tem???

Agora fico indignada com pessoas que não tem o que fazer, nem um pouco de argumento e fica indo nos blogs postar ofenças, reclamações infundadas, e ainda por cima não se mostra.

Gostaria de registrar o quanto a Eddie é importante na minha vida, como ela me ajudou em um momento tão difícil, tão pertubador, onde por motivos espirituais eu sofri muito.

Quase fiquei louca, estava totalmente desesperada, quando a espiritualidade colocou a Eddie na minha vida.

E eu só tenho a agradecer o fato da Eddie ser fofoqueira, e não dar ouvidos (mesmo porque as vozes já alugaram os dois ouvidos dela) a pessoas amargas, que julga e não se cansa em despejar suas frustações e inveja em cima dela.

Faz um seguinte, cara pálida, vai criar um blog, escrever livros, se empenhar em ajudar animais abandonados, ajudar pessoas que sofrem, vão dar cursos, ministrar palestras, dormir pouco pois precisa socorrer vidas, aí sim volta e diga, se tiver coragem de criticar alguma atitude da Eddie, criticar só porque ela não respondeu seu e-mail.

Não se esqueçam que o mundo não gira em torno do seu umbigo, e assim como vc, uma porção de gente aguarda uma resposta via e-mail, mas muitas vezes essa resposta já foi dada em alguma publicação da Eddie, seja revista, livro ou blog, mas as pessoas são preguiçosas e querem tudo mastigado. Aí nem a espiritualidade da geito.

Espero sinceramente que o egoismo no mundo acabe, daí não teremos mais que ler pessoas reclamando que o mundo não as notam. Faz o seguinte, se façam ser notadas pelas suas atitudes, e não pelas agressões gratuitas que fazem com pessoas que não conhecem, mas julgam.

No mais, vão lavar um tanque de roupa suja, varrer uma casa, e não pertubem.

Eddie, as pessoas que tem amam de verdade, que reconhecem seu caracter e a luz que vc irradia, assim como o Tobia entende muito bem você.

ASSINADO: Abelhuda
(Porque eu tenho coragem)

P.S.: Patrícia, adoreiiiii!!!! A Eddie é mesmo muito DIVArtida.

Diudiu (Cristiane Meireles) disse...

Eddie, querida! Só pelo fato de você escrever a Wicca, blogs, etc etc etc, já fica claro o quanto és ocupada! Não vejo necessidade das pessoas ficarem te exigindo atenção, afinal você já se esforça um bocado pra estar com a gente (mesmo que de forma indireta, como através de seus livros)! Tampouco concordo com as críticas referentes a seu Lunga, afinal TODOS nós temos um pouco dele!! Ou por um acaso esses críticos sem rosto são santos cheios de paciência e perfeição?! Aff!!

P.S.: Te adoro do jeito que você é!!

Rômulo Limpi disse...

Pra mim vc é a mesma desde de sempre. A wicca mudou um pouco, e a Eddie não mudou nada, digo a Eddie maravilhosa que SEMPRE escreve seus sabios conselhos da terra dos loucos que melhoram o dia de qualquer um!

Uma bufada de Dragões nesses anônimos pra ver se eles acordam pra vida!

Grande abraço de urso a vc Eddie e a todos do blog!! =]

Millah disse...

Muita gente se incomoda mesmo quando vê outra pessoa cuidando da propria vida.
Ja ouvi dizer que quando a gente fala muito mal de alguem, é porque estamos falando mal de nós mesmos.
Ah, sei lá....

Ayla D. disse...

Muito bem Eddie!
É verdade, merecer é mesmo uma arte.
Afinal, se quisermos ver algo florescer, primeiro temos de plantar e cuidar com carinho.

Você é muito DIVA! Mas isto não significa que vc seja "cheia".

Vc é Diva porque inspira e ajuda muita gente. Você é DIVA porque vc trabalha para o bem. Parabéns pelo seu trabalho!

E dá para entender pq vc não tem tempo de responder todos os e-mails. Vc não tem tempo msmo eim! Nossa!
kkkk

Um beijo e um grande abraço na alma!