quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O poder de um pedaço de papel


No nosso meio bruxesco, ainda há muitas pessoas que pedem credenciais do bruxo ou mago. Querem saber se ele foi iniciado fora do país por um clã misterioso que ninguém conhece, ou se é descendente direto de uma família reconhecida como bruxa, ou se possui algum diploma de alguma associação megalomaníaca. Nunca dei muito valor a papéis ou mesmo a credenciais. Não me sinto muito à vontade quando me chamam de "Mestra", pois acho que tenho que comer muito feijão pra merecer este título. Fiz muitos cursos na vida, incluindo uma faculdade de Jornalismo, cursos de desenho, um curso completo de professorado em inglês. Sabe quantas vezes me pediram alguma comprovação de alguma dessas coisas? NENHUMA. Nunca me pediram um papel, um certificado, um diploma. A única coisa que pediram foi uma prova da minha competência, que eu dava trabalhando. E assim sempre tive trabalho. Hoje, vejo pessoas que dizem que fazem e acontecem, com diplomas da maçonaria comprados da Internet pendurados na parede (É SÉRIO!), gente que tem a cara de pau de falar que eu sou uma wicca de boutique e se diz maçom do 33 grau (se você fizer uma pesquisa básica, verá que raras pessoas chegam a esse grau e já numa idade avançada. A pessoa em questão tem trinta e poucos anos de delírios), faixa preta em caratê e mais um série de títulos impossíveis de se conseguir numa só vida. Enfim, quer saber? Continuo acreditando que o valor pessoal e profissional conta muito mais do que um papel. Pra ilustrar, segue uma piadinha maneira!

O PODER DE UM CRACHÁ...

Um Promotor Público vai a uma fazenda, em Unaí/MG, e diz ao dono, um velho fazendeiro:
"Preciso inspecionar sua fazenda por suspeita de enriquecimento ilícito e denúncia de possuir plantação de maconha!"
O fazendeiro diz: "Ok, mas não vai naquele campo ali." E aponta para uma certa área.
O Promotor, indignado diz: " O senhor sabe que tenho o poder do governo e da polícia comigo?"
Em seguida tira do bolso um crachá, mostrando ao fazendeiro:"Este crachá me dá a autoridade de ir onde quero....e entrar em qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma pergunta. Está claro? Me fiz entender?
O fazendeiro todo educado pede desculpas, diz "sim senhor" e volta para o que estava fazendo.
Poucos minutos depois o fazendeiro ouve uma gritaria e vê o Promotor correndo para salvar sua própria vida perseguido pelo Santa Gertrudes, o maior e mais bravo touro da fazenda.
A cada passo o touro vai chegando mais perto da autoridade, que parece que será chifrado antes de conseguir alcançar um lugar seguro e mostra-se apavorado e deseperado.
O fazendeiro mineirinho larga suas ferramentas, corre para a cerca e grita com todas as forças de seus pulmões:
"Seu Crachá, mostra o seu CRACHÁ!!!!!!!
Ah! E tem novidades no Blog da Irlanda!

4 comentários:

Nanael Soubaim disse...

Humildade é como uma pérola na idade da pedra, ninguém sabe para que serve e ninguém respeita quem sabe usar. Teu cólo está repleto delas.
O torno mecânico me ensinou o que vale um título desses. Dependendo do tipo do papel, nem para limpar o fluido de corte.

Vilma disse...

Eddie, é por isso que te amo, seu senso de humor e sua falta de "crachá".
Beijos

Vilma disse...

Nanael tu é fera, nenên!!!

Beto disse...

parece aquela fábuila da raposa e das uvas.